Pular para o conteúdo principal
Disco Mais ou Menos Recomendável

"Caravanas"
2017
Artista: Chico Buarque


CHICO FAZ UM DISCO REQUINTADO E MUITO BEM PRODUZIDO, MAS, AO MESMO TEMPO, APÁTICO E POUCO MARCANTE

Bem, falar sobre o novo disco de Chico Buarque requer um certo "cuidado". Isso porque o nome do cantor/compositor carioca virou que que uma instituição. Há aqueles que se sentem extremamente ofendidos com qualquer crítica que se faça a ele. E, há os fanáticos dos tempos atuais que o odeiam por causa de suas posições político-partidárias. Na verdade, não deveria ser nem uma coisa, nem outra. Chico sempre foi um ótimo compositor, mas, que, inevitavelmente, envelheceu (e, este disco aqui é a prova disso). Ao mesmo tempo, ele tem todo o direito de ter a ideologia que que quiser, da mesma maneira que muitos dos seus detratores estão alinhados a um pensamento puramente de uma direita conservadora. Disto isto, o que temos aqui? Um disco razoavelmente bom, de um artista que foi, na maioria das vezes, genial, mas, que sucumbiu com o tempo, fazendo de "Caravanas" um disco bem datado.



Nesse sentido de "datado", nem culpemos tanto Chico, pois, ao contrário de seus contemporâneos Caetano Veloso, Gilberto Gil e Tom Zé, ele nunca foi um artista de, digamos, "vanguarda musical", tendo, ao longo de sua carreira, pouquíssimas inovações em sua música. Então, nada mais natural que um novo trabalho dele soasse meio deslocado no tempo. No entanto, se fosse só isso, tudo bem, pois, estaríamos diante de um excelente trabalho autoral, pouco preocupado em soar "moderno". O grande problema de "Caravanas" é que tudo aparenta "beleza demais", e "conteúdo de menos". Como o amor (platônico ou não) é tema da maioria das composições, e só pra fazer uma analogia melhor, "Caravanas" parece aquele galanteador à moda antiga, que diz inúmeras palavras bonitas, mas, que, na primeira oportunidade, trairá a sua amada. Ou seja, é um discurso que aparenta ser muito falso e pouco autêntico. E, como as letras são o forte de Chico Buarque, é nelas que prestamos mais atenção aqui, e é onde mora o principal defeito do disco.

E, essas "juras falsas de amor" ficam bem evidentes logo na primeira faixa do álbum, a tão polêmica "Tua Cantiga". Independente da problemática estrofe "Largo mulher e filhos, e de joelhos, vou te seguir", a canção resume bem o espírito de "Caravanas": letra fraca, unida a um som requintado, mas, vazio. Ao menos, uma das coisas que solta aos ouvidos é a ótima produção de Vinicius França. Uma das principais críticas a discos de MPB é que o som dos instrumentos sempre ficam sublimados em relação à voz do cantor ou cantora. Aqui, há um perfeito equilíbrio nesse sentido, fazendo até com que a voz de Chico ficasse até mais agradável para aqueles que sempre torceram o nariz para os limites vocais do cantor. No entanto, esses mesmos defeitos que encontramos em "Tua Cantiga", vamos ouvir também nas duas canções seguintes: "Blues pra Bia" e "A Moça do Sonho", ambas com sonoridades impecáveis, mas, só. "Nesta segunda, por sinal, uma composição de Chico e Edu Lobo para o musical "Cambaio", a letra já indica o nível de platonismo: "Súbito me encantou/ A moça em contraluz / Arrisquei perguntar: quem és? / Mas fraquejou a voz / Sem jeito eu lhe pegava as mãos / Como quem desatasse um nó / Soprei seu rosto sem pensar / E o rosto se desfez em pó".



Interessante que quando Chico fala de um outro tema que lhe é muito familiar (o futebol), ele consegue mostrar a primeira música realmente de destaque no disco: a ótima "Jogo de Bola". Uma letra bem melhor construída do que as demais, com um "jogo" de palavras muito bem encaixadas. Um dos pontos altos do álbum, sem dúvida. "Massarandupió" também se mostra outro destaque, mesmo com uma sonoridade um tanto padronizada demais. Mesmo assim, o Chico letrista se sobressai nela, e garante a segunda mais bela e mais resolvida composição de "Caravanas". A seguir temos "Dueto", canção composta para a peça "O Rei de Ramos", e lançada por Nara Leão em 1980. Em "Caravanas", quem divide a voz com o cantor para esta música é a sua neta Clara Buarque. A composição, que antes já era bonita, continua sendo. Só que a interpretação de Clara não é das melhores (o que evidencia a não tão boa interpretação de Chico também), e as "improvisações" de ambos ao final da canção soam um tanto bobas, desnecessárias.

Já, "Casualmente" mostra uma ótima vertente latina de Chico, com uma sonoridade mais orgânica, voltada para o bolero, e com uma letra de "amor" um pouco diferente: os versos em espanhol são uma homenagem de Chico mais a Havana do que a mulher de quem o cantor ouviu essa canção anos atrás. Mais uma faixa que, se não é extraordinária, ao menos, destaca-se em meio à mesmice do disco em geral. Mesmice que está bem presente na penúltima faixa do disco, "Desaforos", que, mesmo não sendo uma letra de juras de amor (ao contrário, inclusive), também se mostra apática diante da capacidade que Chico já mostrou que tem em fazer composições melhores. Diante de tudo isso, talvez, os fãs mais exigentes de Chico estejam sentindo falta das suas "músicas de protesto", não? Pois, para encerrar o disco, temos a boa "Caravanas", que supre essa lacuna. Não chega a ser uma "Construção" ou uma "Cálice", óbvio, mas, ainda assim, consegue ser provocativa na medida certa, com versos do tipo: "Com negros torsos nus deixam em polvorosa / A gente ordeira e virtuosa que apela / Pra polícia despachar de volta / O populacho pra favela / Ou pra Benguela, ou pra Guiné".

Pois, é. Chico Buarque continua sendo um cânone da MPB, com uma carreira invejável, opiniões, geralmente, coerentes, e discos que marcaram época. O problema? "Caravanas", mesmo bonito e bem feito, não marcará esta época. Fará, no máximo, com que as novas gerações busquem os trabalhos mais antigos do cantor. E, espantados, vão perceber que Chico tem, em sua carreira musical, coisas muito melhores (e, que, ironicamente, não ficaram datados ou irrelevantes). Com certeza, é um artista que merece todo o nosso respeito, mas, também não dá pra ignorar que este novo disco é uma obra um tanto pálida e sem grande relevância, e que, infelizmente, não gerará lembranças marcantes em seus ouvintes. Uma pena. 

Destaques:
"Jogo de Bola"
"Massarandupió"
"Casualmente"
"Caravanas"


Download:
https://bossanovafoda.music.blog/2017/08/25/chico-buarque-caravanas-album-exclusivo/


Nota: 6/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…