Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"BCCIV"
2017
Artista: Black Country Communion


SUPERGRUPO CONTINUA CERTEIRO NA SUA ATUALIZAÇÃO DO ROCK SETENTISTA, E PRESENTEIA OS FÃS COM MAIS UM DISCO DE PRIMEIRA

Há artistas que não precisam fazer muito para conseguirem ótimos resultados. Tudo soa tão natural, tão espontâneo, que que parece que pouco estão fazendo esforço. Ao contrário: aparentam estar se divertindo muito no processo, e isso só é privilégio de quem realmente tem talento. Afinal, como negar, nos dias de hoje, que Glenn Hughes é (ainda) um exímio cantor? Ou, que Joe Bonamassa é um dos melhores guitarristas de sua geração? Pode ser até um tanto óbvio repetir essas questões a cada lançamento do Black Country Communion, mas, pra quem gosta de um rock'n roll mais clássico, sempre vai encontrar nos trabalhos deste supergrupo material de ótima qualidade.





Sem delongas, a primeira faixa do disco ("Collide") é uma pancada. Resume muito bem a proposta do Black Country Communion: cadência, peso, energia e melodia. Destaque absoluto para Bonamassa, em riffs certeiros, e Hughes, cantando absurdamente bem, como sempre. Claro, palmas também para Jason Bonham e Derek Sherinian, que conseguem fazer uma cozinha sonora excelente. Em seguida, mais uma ótima canção: "Over My Head", essa, um pouco mais "calma" que a anterior, mas, mesmo assim, com uma bela potência sonora. Bonamassa mostra seus dotes de vocalista na intensa "The Last Song For My Resting Place", onde temos alguns arranjos tipicamente "zeppelianos", com sonoridades exóticas se intercalando com o peso. Mas, um destaque do álbum, apesar da duração um tanto excessiva dela, que poderia ser menor. Ainda assim, não compromete a qualidade da composição.

"Sway" é outra faixa "muito" Black Country Communion. Talvez, soe repetitiva ao longo de seus mais de cinco minutos, mas, a qualidade dos músicos envolvidos é tão contagiante, que isso nem chega a incomodar de forma expressiva. "The Cove" dá uma certa desacelerada no ritmo, onde ouvimos uma base bem Black Sabbath, fase Dio; ou seja, um heavy arrastado, sombrio e muito bem executado. Nela, notamos o óbvio: Hughes e Bonamassa são mestres em suas respectivas funções (que dupla formidável para integrar uma banda!). Após um "descanso", o peso e a cadência voltam com tudo em "The Crow", mais uma música com o selo de qualidade deste supergrupo, e que faria bonito se fosse executada ao vivo, nos shows. É o tipo de composição que abre espaço pra todos brilharem, desde Bonamassa, com seu absurdo bom gosto guitarrístico, até as pancadas certeiras de Jason Bonham. Perfeita!


Com uma sonoridade mais pop, "Wanderlust" é bem tocada, mas, não chega a fazer frente aos melhores momentos desse disco. Ainda assim, tem categoria, apesar de ser mais uma composição com duração excessiva para o que se propõe (aqui, são mais de oito minutos que, de certa maneira, não se justificam). Só que com "Love Remains", não tem desculpa; ela cai na armadilha da mesmice, e a sua inclusão no disco é ficou deslocada em relação a todo material apresentado até então. O único ponto fraco, realmente, do disco, diga-se de passagem. Tanto é que, como a canção seguinte, "Awake", a banda se redime, e apresenta uma verdadeira musicaça, com um quê de Deep Purple em sua essência, num clima de nostalgia contagiante. Finalizando, temos a bela "When the Morning Comes", uma super balada, onde Hughes e Bonamassa dividem os vocais de maneira excelente. 

Enfim, temos aqui mais um discaço de rock do Black Country Communion. Missão cumprida (e, com louvor).

Download:


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…