Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2017
Dica de Filme

"República dos Assassinos" (1979)
Direção: Miguel Faria Jr.


Sei perfeitamente o quanto é complicado comparar um filme com outro, principalmente, se ambos foram de épocas diferentes, tendo sido realizados por cineastas distintos. Afinal, além do período em que foram feitos, há sempre a questão da intencionalidade do realizador, o que ele quis realmente passar com tal obra. Digo isso, pois, pra mim, ficou inevitável não traçar um paralelo entre "República dos Assassinos" e o tão famoso "Tropa de Elite". Isso porque o cerne de suas questões é o mesmo, mas, a abordagem é bastante diferente, fazendo a produção de Miguel Faria Jr. ser melhor do que a "obra-prima" de José Padilha.
E, observem: estamos falando de um filme feito em 1979, época da ditadura, e termos tido um tema como o famigerado Esquadrão da Morte sendo retratado de maneira tão crítica no cinema é quase inacreditável. E, é a partir daí que entram as diferença em relação a &qu…
Filme Não Recomendável

"Manchester à Beira-Mar" (2016)
Direção: Kenneth Lonergan


Um drama não precisa ser pedante, muito menos, o tema do luto precisa ser "carregado". Sim, estamos falando de um assunto doloroso para muitos, no qual a perda de amigos ou entes queridos signifique uma tristeza profunda, e uma melancolia incurável diante da vida. Justíssimo. Mas, quando esse tipo de situação é usada numa história forçada, feita só para arrancar lágrimas das pessoas, a coisa desanda para a mais pura apelação. E, infelizmente, é o que acontece com "Manchester à Beira-mar", cuja premissa de se fazer reflexões no contraste da vida com a morte é muito boa, mas, com uma realização muito esquemática e padronizada.
Aqui, conhecemos o sisudo e anti-social Lee Chandler. Os primeiros minutos, uma espécie de "apresentação" do personagem, são, de certa forma, um desperdício. Isso porque esses momentos não dão conta de expôr algo que seja minimamente interessante …
Dica de Filme

"Delirious" (2006)
Direção: Tom DiCill


Se fazer comédia no cinema já é complicado, imaginem, então, fazer uma comédia crítica, com boas de ironia, e, ainda assim, ser engraçada. Pra poucos, não é verdade? Pois, o diretor Tom DiCill conseguiu essa proeza com "Delirious". Já há algum tempo realizando ótimos filmes no meio underground, o cineasta construiu aqui uma bem-vinda paródia ao mundo das celebridades, com bastante acidez. E, mesmo que já tenha mais de 10 anos, o filme continua propício em sua crítica à futilidade não só das estrelas da moda, como do público que consome tudo isso. Se alguém se lembrou dos famigerados reality shows, essa realmente foi a intenção.
O roteiro de "Delirious" é engenhoso ao colocar como protagonistas três pessoas, de mundos distintos, mas, que um depende, indiretamente do outro. Toby é um sem-teto que perambula pela cidade em busca de abrigo, enquanto sonha em ser ator. Já, Les Galantine é um paparazzi que não s…
Dica de Filme

"Billy Bathgate" (1991)
Direção: Robert Benton


Filmes de gênero, às vezes, parecem todos iguais. Isso se deve muito porque temos os inevitáveis clássicos de cada nicho, e que vão pontuar toda e qualquer produção com tema semelhante a partir de então. Houve um tempo, por exemplo, em que todo filme de ficção científica se parecia com "Matrix", e toda produção de terror tinha que ter cena de tortura explícita à lá "Jogos Mortais". No caso dos chamados "filmes de máfia", não há como negar que "O Poderoso Chefão" redefiniu esse gênero (para o bem e para o mal). Mesmo com a qualidade ímpar de "Os Intocáveis" e "Os Bons Companheiros", ficou quase impossível não ter um pouco da história de Don Corleone e família em todo filme desse tipo. 
E, é aí que chegamos a "Billy Bathgate", um longa que se diferencia um pouco da maioria desse tipo de produção, mas, que hoje em dia nem é tão lembrado assim (pelo me…
Dica de Filme

"Inimigo Meu" (1985)
Direção: Wolfgang Petersen


A ficção científica no cinema sempre teve enorme diferença em relação a que se encontra na literatura. Isso porque os filmes, em muitas ocasiões, mostram-se mais preocupados com uma ação descerebrada ou uma aventura boa, e tira do gênero o seu essencial: a reflexão sobre a condição humana em diversos aspectos. Isso fica ainda mais evidente quando se trata de adaptações de livros (como os esquecíveis "Eu, Robô" e "Tropas Estelares"), cujas histórias originais eram profundos estudos sociais. Já, os seus respectivos filmes não passaram de meros blockbusters de verão. Mas, há os que se salvam, e ainda hoje, têm alguma mensagem importante em suas tramas, aparentemente, simples. É o caso de "Inimigo Meu".
Na verdade, este é o tipo de filme que, analisando bem, dificilmente seria feito nos dias de hoje. Explico: aqui, ao contrário das megaproduções atuais, o foco não é a ação, ou os efeitos es…
Dica de Disco

"Prisoner" (2017)
Artista: Ryan Adams


O que esperar do rock alternativo nos dias de hoje? Ainda há espaço para trabalhos autorais? Bem, alguns artistas, como Ryan Adams, independem de tendências, de mercado ou de mainstream, sempre fazendo algo interessante, acima da média. Este "Prisoner" já é o 16° trabalho de estúdio dele, o que prova sua persistência num ambiente atual não tão favorável ao seu tipo de música. O melhor de tudo é que ele é um tremendo álbum, com padrão de qualidade que Ryan, com frequência, coloca em seus trabalhos. Já devidamente calejado na carreira, e não tendo que provar mais nada pra ninguém, ele expõe muito bem suas influências, de Bruce Springsteen a Bob Dylan, com ecos dos anos 80, tipo Smiths, Echo and the Bunnymen, e por aí vai. O resultado pode não ser fenomenal, mas, é bastante agradável aos ouvidos.
Mas, inusitadamente, a primeira faixa do disco, "Do You Still Love Me?", não lembra nenhuma dessas referências, e …